quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Arte e desempenho motor


Artistas têm cérebro com estrutura diferenciada, sugere pesquisa.

Pessoas que se dedicam à arte apresentam substância neural aumentada em áreas responsáveis pelo bom desempenho motor.


Leia aqui o artigo

sábado, 26 de agosto de 2017

A Educação e a Criatividade









Já tinha colocado este vídeo antes mas,  deu erro. Hoje decidi colocá-lo de novo pois é uma preciosidade.
Vejam com atenção o vídeo.
Para aguçar a curiosidade transcrevo uma das afirmações que é feita pelo Palestrante:

 " A criatividade hoje é tão importante em educação como a alfabetização e deveriamos tratá-la com o mesmo status".


Clique no link:
A MATEMÁTICA ANDA POR AÍ: A Educação e a criatividade

Crianças - Coordenação motora

Hoje vou escrever um pouco sobre crianças - coordenação motora.

Começo por descrever o que é:

Coordenação motora é a capacidade de coordenação de movimentos decorrente da integração entre comando central (cérebro) e unidades motoras dos músculos e articulações.
Classifica-se a coordenação motora em três grupos.
- Coordenação motora geral
Este tipo de coordenação permite a criança ou adulto dominar o corpo no espaço, controlando os movimentos mais rudes.Ex: Andar, Pular, rastejar, etc.
- Coordenação motora geral específica
Permite controlar movimentos específicos de uma atividade. Ex: Chutar uma bola (futebol), bandeja (basquete), etc.
- Coordenação motora fina
É a capacidade de usar de forma eficiente e precisa os pequenos músculos, produzindo assim movimentos delicados e específicos. Este tipo de coordenação permite dominar o ambiente, propriciando manuseio dos objetos. Ex; Recortar, lançar em um alvo, costurar, escrever, digitar, etc.
leia mais

E perguntam vocês: mas porque estou eu a escrever aqui sobre isso?
Pela simples razão de ter estado a fazer uma oficina no Domingo e ter constatado que existem crianças que simplesmente não conseguem fazer movimentos mais ou menos precisos de: cortar, pegar numa caneta e escrever (crianças de 8 e 9 anos) e porque ao fazer um modelo de origami que me pediram, entusiasmados, para poderem brincar, e que eu chamo de QUANTOS QUERES, o PAKUPAKU...simplesmente não conseguiram fazer os movimentos de abrir e fechar para os dois lados.

Não podemos esquecer que os anos iniciais na escola são fundamentais e serão o eixo condutor da vida do ser humano.
"O desenvolvimento motor consiste em uma série de mudanças que ocorrem ao longo do ciclo vital em termos do deslocamento de partes do corpo ou de todo o corpo no espaço. O movimento é o elemento central na comunicação e interação com as outras pessoas e com o meio ambiente à nossa volta; é central também na aquisição do conhecimento de si e da natureza. Apesar dos movimentos estarem presentes em todas as nossas ações, eles não se repetem, variando em função da nossa disposição física e mental daquele momento. A aquisição de habilidades motoras que ocorre ao longo dos anos é fruto não só das disposições do indivíduo para a ação, mas principalmente do contexto físico e sócio-cultural onde o individuo está inserido".

In "DESENVOLVENDO A COORDENAÇÃO MOTORA NO ENSINO FUNDAMENTAL"

Só deixei este pequeno apontamento para alertar a todos os que trabaham com educação e arte e aqui vou puxar a Brasa à minha Sardinha, com o Origami em particular, como é importante estimular a criança oferecendo-lhe novos desafios para que possa desenvolver as suas capacidades.

Albertina Fonseca

(use mas dê os créditos a quem de direito)
Como nos diz Paulo Freire  - "Ensinar não é apenas transferir conhecimento, mas criar possibilidades para a sua produção

A importância do Origami no desenvolvimento da atividade Cerebral



À primeira vista, as dobraduras japonesas parecem ser extremamente simples de se fazer. "É algo que nós humanos podemos fazer bem, mas nós não entendemos os detalhes mecânicos. Como uma criança de cinco anos de idade pode aprender a dobrar origamis, nós consideramos que é um processo simples, mas os movimentos que ele requer são muito complexos," Balkcom.
Todo o processo de construção de um modelo de origami desde a sua simplicidade à sua complexidade exemplifica o desenvolvimento de uma criança.
Todo esse conjunto de movimentos que requer fazer um simples origami, é tão complexo para uma criança, como é quando ela começa a querer dizer as primeiras palavras, os primeiros passos. O conseguir ficar em pé sem cair....... o simples facto de segurar numa coisa sem deixar cair...... todo aquele conjunto de pequenas coisas que uma criança começa a fazer e que para nós adultos é tão banal. Segurar num lápis e desenhar, escrever as primeiras letras....... e por aí fora. Ajudar uma criança a fazer origamis, e a adquirir um certo à vontade com o manuseamento do papel, com as dobras, o trabalhar com as duas mãoss..... seguir uma determinada orientação para completar o modelo pretendido, através da memorização, ou mesmo da observação dos desenhos..... são aprendizagens eficazes que ajudam no estimulo cerebral. (Martins, Manuela)
Praticado por séculos como atividade lúdica e artística, só recentemente o Origami passou a ser atração académica como objeto de estudos científicos na área da Matemática. Pesquisadores perceberam que as dobraduras poderiam ser utilizadas para descrever procedimentos e processos, o que auxilia no aprendizado da Geometria.
O Origami tem sido alvo de estudo de Educadores, psicólogos, médicos e fisioterapeutas que encontraram nesta arte uma maneira especial de estimular o cérebro.O origami ao ser executado e como os movimentos são feitos com as duas mãos ao mesmo tempo e da mesma maneira levam à ativação dos dois lados do cérebro em simultâneo.
Revelou-se uma ferramenta extraordinária para trabalhar a coordenação motora, a paciência, a criatividade e principalmente a concentração, a memória e a visualização espacial. Sendo o origami uma arte onde a cor e a surpresa estão sempre presentes estimula a persistência de ver o trabalho final .
O ser humano precisa criar, perceber o que cria e sentir e o origami permite tudo isso.
Como nos diz Sizumi Suzuki "A cada dobra uma descoberta,o papel se transforma e ganha vida...no final o sorriso ilumina nosso rosto, pois atraves de nossas mãos surge um belo origami"
O Origami é muito útil para trabalhos com a Terceira Idade
“o cérebro só deixa de funcionar por falta de estímulos, sejam orgânicos ou sociais. Até que ocorra a morte cerebral, que é algo definitivo, tem que se acreditar no poder criativo de cada um, cultivar o cognitivo, se propondo desafios dessa ordem, como, por exemplo, aprender uma língua nova e ler a respeito da cultura do povo que pratica essa língua específica. Não adianta ficar apenas repetindo o que se está acostumado a fazer, como palavras cruzadas, embora elas desempenhem o seu papel.” (Mettrau, Marsyl
Neste contexto o Origami é uma arte que permite movimentos complexos, é sempre um desafio diferente e existe uma expectativa em relação ao objetivo final o que é muito importante no estímulo cerebral.

Exemplo real e atual
Elide uma senhora de 61 anos que há algum tempo teve um AVC, depois de recuperar ela decidiu por ela mesma não ficar parada e foi fazendo cursos de variadas artes.
Um dia conheceu-me e quis que eu lhe desse aulas de origami pois na nossa conversa eu falei das aplicações do Origami do que ele “faz” em relação ao cérebro, à atividade cerebral.
Elide não se conseguia concentrar nem tinha muita paciência e possuía pouca coordenação nas mãos e tinha falta de mem
oria. Comecei a dar aulas particulares à Elide e passados alguns meses ela disse: como é maravilhoso eu conseguir fazer tudo isto".Com o Origami ela diz que conseguiu "Paciência, concentração,coordenação e sobretudo uma melhora acentuada na memória".


Albertina Fonseca

Origami - Porquê ensinar...


Há uns anos,num dos meus momentos de leitura li o seguinte:

Diego não conhecia o mar. O pai, Santiago Kovadloff, levou-o para que descobrisse o mar. Viajaram para o Sul. Ele, o mar, estava do outro lado das dunas altas, esperando. Quando o menino e o pai enfim alcançaram aquelas alturas de areia, depois de muito caminhar, o mar estava na frente dos seus olhos. E foi tanta a imensidão do mar e tanto o seu fulgor, que o menino ficou mudo de tanta beleza. E quando finalmente conseguiu falar, tremendo, gaguejando, pediu ao pai: ME AJUDA A OLHAR!(Eduardo Galeano)

Lendo estas palavras e tendo na mão algo para ensinar a quem não conhecia parti para o ensino do origami dentro daquilo que eu sabia e poderia passar.Coisas simples.
Ensinar a olhar o origami como uma ferramenta de trabalho para educadores, profissionais de lazer, pais e outros profissionais e simplesmente pessoas que querem aprender. Desde 2008 que em Florianópolis e Santa Catarina...tento ...

Encontro pessoas que nunca ouviram falar em origami e hoje usam o origami no seu trabalho, no seu lazer...até no seu dia a dia.
Encontro crianças que nem sequer sabem dobrar direito um papel, crianças em idade escolar, mas que superaram essa dificuldade.
Estive com pessoas que recordaram a sua infância e ficaram felizes ao construir de novo o Barco, o avião, o pião...etc...e tive pessoas que depois de participarem nas oficinas me dizem que se sentem mais confiantes em fazer o que têm de fazer na vida, que sentem que são capazes...e tive muitos outros que simplesmente já sabiam fazer origami mas que aprenderam e ensinaram, partilharam o dobrar, a alegria, a partilha, a ajuda ao grupo...etc

Sinto que as pessoas gostam, aprendem e utilizam. E o que eu sinto é que mais que uma mera passadora de algo que eu conhecia...ensinei as pessoas a olhar o origami de uma forma diferente.

E hoje estou feliz por isso.

Albertina Fonseca

Origami na Estufa Fria


Origami na Estufa

Uma tarde a ensinar lírios. Uma bela tarde onde as pessoas participaram, aprenderam e ensinaram também.

Presente a Maria Luis do grupo dos Origamigos de Lisboa e a Beatriz que faz coisas maravilhosas também com papel.




domingo, 2 de outubro de 2016

Uma palavra

Estou a fazer visitas guiadas na Exposição "Ver o Presente" no Centro de Interpretação da Estufa Fria. Tive uma ideia. Tendo em conta a reacção das pessoas, que cada um escrevesse uma palavra sobre o que vê, o que sente, o que pensa.

Fiz um mural com flores em origami onde cada um cola o seu pensar ou sentir.


Podem saber mais Aqui.  A Exposição estará patente ao público até dia 13 de Novembro de 2016 na Estufa Fria.

sábado, 19 de setembro de 2015

Como nasceram as histórias...

Conto Africano...




Biblioteca Pública de Santa Catarina

E o tsuru...

Contação de Histórias na Biblioteca Pública de Santa Catarina. 





                                           E o tsuru voa pelo mundo com a sua mensagem de Paz.

domingo, 6 de setembro de 2015

Loreta a Borboleta Xereta

Mediação de leitura animada com Origami. A História de uma Borboleta que queria voar, viajar e viver muitas aventuras. No CIC - Centro integrado de cultura de Florianópolis.